top of page

Portal de Notícias

Cardiologia: Descubra se essa é a residência médica ideal para você


estetoscópio ao lado de um coração de plástico

Quer se especializar em Cardiologia após a conclusão do curso de Medicina? Descubra agora se essa á a residência médica ideal para você!


Segundo a Demografia Médica de 2023, o país conta atualmente com 20.400 cardiologistas, tornando a especialidade a oitava mais procurada do país, e a primeira entre as que não têm acesso direto. Entre 2012 e 2022, houve crescimento de 75,7% de profissionais da especialidade.


Ao lado de Clínica Médica, Pediatria, Cirurgia Geral, Ginecologia/Obstetrícia, Anestesiologia, Ortopedia/ Traumatologia e Medicina do Trabalho, ela representa mais da metade do total de registros de especialistas no Brasil.


O que faz um cardiologista

Os médicos cardiologistas cuidam do diagnóstico, estudo e prevenção de doenças relacionadas ao sistema cardiovascular. É uma especialidade de extrema importância para a sociedade, já que as doenças cardiovasculares são uma das principais causas de morte.


Segundo relatório da ONU (Organização das Nações Unidas) de 2022, uma a cada três mortes são decorrentes de problemas cardiovasculares, com quase 18 milhões de pessoas em todo o mundo perdendo suas vidas ao ano em decorrência do problema.


Somente no Brasil, o Cardiômetro – indicador criado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia para mostrar o número de mortes por doenças cardiovasculares no país – contabilizava mais de 237.100 mortes de janeiro ao início de agosto de 2023.


Outro dado revelado pela ONU é que 86% das mortes pelas doenças poderiam ter sido evitadas ou retardadas por meio de prevenção e tratamento.


Em sua rotina profissional, o cardiologista atende pacientes com enfermidades como infarto do miocárdio, miocardite, insuficiência cardíaca, hipertensão arterial, cardiopatias congênitas, doenças vasculares, coronárias, cerebrovasculares e arteriais periféricas, entre outras.


Residência Médica em Cardiologia

Para exercer a profissão, o estudante precisa se formar em Medicina, cursar dois anos de Clínica Médica (pré-requisito obrigatório) e, em seguida, realizar a residência médica especializada em Cardiologia, que dura mais dois anos.


Além disso, pode optar por cursar subespecializações como ecocardiografia, cardiologia pediátrica, eletrofisiologia clínica invasiva e cardiologia intervencionista.


Durante a residência, há um programa teórico extenso, complementado com treinamento prático em unidades ambulatoriais, de internação e de atendimento crítico.


No primeiro ano, alguns dos objetivos são:


  • Dominar conhecimentos sobre conceitos básicos, fisiopatologia, determinantes sociais do processo de saúde e doença, critérios diagnósticos e manejo terapêutico das síndromes e doenças cardiovasculares;

  • Acompanhar o paciente da internação até a alta hospitalar e elaborar relatório específico para seguimento ambulatorial;

  • Dominar o atendimento de pacientes com síndromes coronarianas crônicas, agudas e com outros fatores de risco cardiovascular;

  • Conhecer os fundamentos teóricos e as indicações de procedimentos diagnósticos por métodos de imagem como ecocardiograma, medicina nuclear em Cardiologia, tomografia e ressonância cardiovascular, coronariografia invasiva e estudo eletrofisiológico invasivo.

  • Interpretar eletrocardiograma (ECG), teste ergométrico simples e cardiopulmonar básico, monitorização dinâmica do ECG de 24h (Holter), monitorização prolongada e teste de inclinação (Tilt teste).


Já no final do segundo ano da residência, espera-se que o médico tenha adquirido competências como:


  • Dominar o atendimento de pacientes com doença cardíaca valvar, endocardite infecciosa e febre reumática;

  • Promover cuidados a pacientes críticos e em urgência ou emergência cardiológica;

  • Dominar a prevenção e tratamento das complicações cardiovasculares do paciente com acidente vascular cerebral, doenças neurovasculares, reumatológicas, autoimunes, endócrinas, nefrológicas, pneumológicas e infecciosas;

  • Dominar técnicas de acesso vascular e pericardiocentese;

  • Ter noções avançadas sobre o manejo do paciente crítico em cardiologia em ambiente de pronto-socorro/emergência, UTI cardiovascular e pós-operatório de cirurgia cardíaca;

  • Dominar a farmacologia cardiovascular.


Mercado de trabalho

Os cardiologistas podem atuar em hospitais, postos de saúde, consultórios particulares, laboratórios, unidades de exames complementares e centros de pesquisa.


A rotina desse profissional depende muito da área de atuação. Se optar pela prática clínica, terá contato próximo com os pacientes; mas também pode escolher atuar na análise de exames e métodos diagnósticos, por exemplo.


O dia a dia em um consultório envolve casos menos graves, enquanto o trabalho em uma unidade coronariana e no pós-operatório traz cenários mais urgentes e complexos.


Gostou de saber mais sobre cardiologia? Confira no nosso blog informações sobre outras especialidades médicas:


5 visualizações
bottom of page